openSUSE Leap 42.2

Notas de lançamento

O openSUSE Leap é um sistema operacional livre baseado no Linux para o seu PC, laptop ou servidor. Você pode navegar na internet, gerenciar seus e-mails e fotos, fazer seu trabalho de escritório, reproduzir vídeos ou músicas e divertir-se!

Data de Publicação: 2018-03-15 , Versão: 42.2.20180315.23123c4

Chegou ao fim o período de manutenção do openSUSE Leap 42.2. Para manter seu sistema atualizado e seguro, atualize para uma versão atual do openSUSE. Antes de iniciar a atualização, tenha certeza de que todas as correções de segurança do openSUSE Leap 42.2 foram aplicadas.

Para mais informações sobre atualizar para uma versão atual do openSUSE, veja http://en.opensuse.org/SDB:Distribution-Upgrade.

Se você atualizar a partir de uma versão antiga para esta versão do openSUSE Leap, veja as notas de lançamento anteriores aqui: http://en.opensuse.org/openSUSE:Release_Notes.

Informações sobre o projeto estão disponíveis em https://www.opensuse.org.

1 Instalação

Esta seção contém notas relacionadas à instalação do sistema. Para instruções detalhadas sobre a atualização, veja a documentação em https://doc.opensuse.org/documentation/leap/startup/html/book.opensuse.startup/part.basics.html.

1.1 Instalação do sistema básico

Para evitar que alguns pacotes recomendados grandes sejam instalados, o padrão para instalações mínimas usa um outro padrão que conflita com os pacotes não desejados. Esse padrão, chamado patterns-openSUSE-minimal_base-conflicts, pode ser removido após a instalação do sistema.

Note que a instalação mínima não possui nenhum firewall por padrão. Se você necessitar de um, instale SuSEfirewall2.

1.2 UEFI—Unified Extensible Firmware Interface (interface unificada de firmware extensível)

Antes de instalar o openSUSE em um sistema que inicia usando o UEFI (Unified Extensible Firmware Interface), você é aconselhado a verificar por qualquer atualização de firmware que o fabricante do hardware recomenda e, se disponível, instalar tal atualização. Um Windows 8 pré-instalado é uma forte indicação que seu sistema inicia usando o UEFI.

Aviso: Alguns firmwares UEFI tem problemas que causam falhas se muitos dados são escritos na área de armazenamento do UEFI. No entanto, não está claro o que seriam muitos dados.

O openSUSE minimiza o risco não escrevendo mais que o mínimo necessário para iniciar o SO. O mínimo significa dizer ao firmware UEFI sobre a localização do carregador de inicialização do openSUSE. Os recursos do kernel Linux que usam a área de armazenamento UEFI para armazenar informações de falhas e inicializações (pstore) foram desabilitados por padrão. Entretanto, é recomendável instalar qualquer atualização de firmware que o fabricante do hardware recomendar.

1.3 Instalador falha ao definir a montagem por rótulo por padrão

Ao definir o valor de montagem padrão para Por rótulo durante o particionamento, o instalador irá reportar um erro e falhar. Como contorno, use outra opção para a instalação. Se necessário, volte para Por rótulo no sistema instalado.

1.4 Partições UEFI, GPT e MS-DOS

Junto com a especificação EFI/UEFI um novo estilo de particionamento chegou: GPT (GUID Partition Table - Tabela de Partição GUID). Este novo esquema usa identificadores únicos globais (valores de 128-bit exibidos em 32 dígitos hexadecimais) para identificar os dispositivos e tipos de partições.

Adicionalmente, a especificação UEFI também permite partições antigas MBR (MS-DOS). Os carregadores de inicialização do Linux (ELILO ou GRUB2) tentam gerar automaticamente um GUID para estas partições antigas e gravá-los no firmware. Tal GUID pode alterar frequentemente, causando uma reescrita no firmware. Uma reescrita consiste em duas operações diferentes: remover a entrada antiga e criar uma nova entrada que substitui a primeira.

Firmwares modernos têm um coletor de lixo que coleta entradas removidas e libera a memória reservada para entradas antigas. Um problema pode ocorrer quando um firmware problemático não coleta e libera estas entradas. Isto pode resultar em um sistema não inicializável.

O corrijir este problema, converta a partição antiga MBR para GPT.

1.5 Driver 3D/DRI do Nouveau pode travar o KDE Applications

Com o openSUSE Leap 42.2, o driver Nouveau Mesa/DRI para renderização 2D/3D é considerado experimental. O driver kernel/KMS do Nouveau e o driver X.org/DDX do Nouveau para renderização 2D ainda são considerados estáveis.

Quando o driver Mesa/DRI do Nouveau está em uso, alguns aplicativos podem travar, especialmente aplicativos do KDE e Qt. Este driver está agora em um pacote separado chamado Mesa-dri-nouveau, que pode ser removido em caso de problemas.

Sem este driver instalado, não há suporte a aceleração 3D por hardware em qualquer GPU da Nvidia e não há aceleração 2D em GPUs da Nvidia mais recentes, que utilizam Glamor para operações 2D rápidas. O Kernel Mode Setting e 2D básico ainda estão disponíveis, bem como aceleração 2D em GPUs de gerações de codinome Kepler (introduzidas em 2012) e anteriores. As operações 3D são suportadas via renderização por software.

Para mais informações, veja os relatórios de bugs em https://bugs.freedesktop.org/show_bug.cgi?id=91632 e https://bugzilla.opensuse.org/show_bug.cgi?id=1005323.

2 Atualização do sistema

Esta seção lista notas relacionadas à atualização do sistema. Para instruções detalhadas sobre a atualização, veja a documentação em https://doc.opensuse.org/documentation/leap/startup/html/book.opensuse.startup/cha.update.osuse.html.

2.1 Atualizando do openSUSE Leap 42.1

2.1.1 Pacotes removidos e substituídos

Os seguintes pacotes foram removidos ou substituídos comparando com o openSUSE Leap 42.1:

  • arista: substituído por transmageddon.

  • cadabra: o código fonte não compila mais. O sucessor, Cadabra 2 ainda não é estável.

  • dropbear: removido por não ter vantagens relevantes sobre o openssh.

  • emerillon: substituído por gnome-maps.

  • gnome-system-log: substituído por gnome-logs.

  • hawk: substituído por hawk2.

  • ksnapshot: substituído por spectacle.

  • labplot: Labplot foi substituído por sua versão Qt5, chamada labplot-kf5. Se você estiver atualizando do openSUSE Leap 42.1 no qual o labplot está instalado, você receberá o labplot-kf5 automaticamente.

  • nodejs: renomeado para nodejs4.

  • psi: substituído por psi+.

  • python-moin: substituído por moinmoin-wiki. Apenas uma troca de nomes, não atualização de versão - uma substituição virtualmente idêntica.

  • ungifsicle: substituído por gifsicle.

  • xchat: substituído por hexchat.

2.1.2 /var/cache em um subvolume próprio para instantâneos e rollback

/var/cache contém muitos dados voláteis, como o cache do zypper com os pacotes RPM em diferentes versões para cada atualização. Como resultado do armazenamento de dados que é em sua maioria redundante e altamente volátil, a quantidade de espaço em disco que um instantâneo ocupa pode aumentar muito rápido.

Para resolver isto, mova o /var/cache para um subvolume separado. Em instalações novas do openSUSE Leap 42.2, isto é feito automaticamente. Para converter um sistema de arquivos raiz existente, siga estes passos:

  1. Descubra o nome do dispositivo (por exemplo, /dev/sda2 ou /dev/sda3) do sistema de arquivos raiz:

    df /
  2. Identifique o subvolume pai de todos os outros subvolumes. Para as instalações do openSUSE 13.2, este é um subvolume chamado @. Para verificar se você tem um subvolume @, use:

    btrfs subvolume list / | grep '@'

    Se a saída deste comando for vazia, você não tem um subvolume chamado @. Neste caso, você pode proceder com o subvolume ID 5 que foi usado em versões mais antigas do openSUSE.

  3. Monte agora o subvolume requisitado.

    • Se você tem um subvolume @, monte este subvolume em um ponto de montagem temporário:

      mount <root_device> -o subvol=@ /mnt
    • Se você não tem um subvolume @, monte o subvolume ID 5:

      mount <root_device> -o subvolid=5 /mnt
  4. /mnt/var/cache pode já existir e pode ser o mesmo diretório que /var/cache. Para evitar perda de dados, mova-o:

    mv /mnt/var/cache /mnt/var/cache.old
  5. Crie um novo subvolume:

    btrfs subvol create /mnt/var/cache
  6. Se existir agora um diretório /var/cache.old, mova-o para a nova localização:

    mv /var/cache.old/* /mnt/var/cache

    Se este não for o caso, faça:

    mv /var/cache/* /mnt/var/cache/
  7. Opcionalmente, exclua /mnt/var/cache.old:

    rm -rf /mnt/var/cache.old
  8. Desmonte o subvolume do ponto de montagem temporário:

    umount /mnt
  9. Adicione uma entrada no /etc/fstab para o novo subvolume /var/cache. Use um subvolume existente como um modelo a ser copiado. Certifique-se de deixar o UUID inalterado (este é o UUID do sistema de arquivos raiz) e altere o nome do subvolume e seu ponto de montagem de forma consistente para /var/cache.

  10. Monte o novo subvolume como especificado no /etc/fstab:

    mount /var/cache

2.1.3 O Chaveiro do GNOME não se integra mais ao GPG

O agente GPG integrado do Chaveiro do GNOME foi removido. Portanto, o Chaveiro do GNOME não pode mais ser usado para gerenciar chaves GPG. Você ainda pode gerenciar chaves GPG na linha de comando usand o ferramenta gpg.

2.1.4 Driver X do Synaptics pode degradar a experiência do touchpad no GNOME

No Leap 42.1, o driver X do Synaptics (pacote xf86-input-synaptics) foi instalado por padrão mas tem uma prioridade menor que o driver libinput (xf86-input-libinput).

Iniciando com o Leap 42.2:

  • O driver X do Synaptics não é mais instalado por padrão.

  • Se o driver X do Synaptics está instalado, ele terá precedência em qualquer dispositivo touchpad.

  • O driver X do Synaptics não é mais suportado pelo GNOME. Isto significa que quando o driver está instalado, os touchpad Synaptics podem ser configurador apenas até onde um mouse básico pode.

A menos que você esteja usando um touchpad Synaptics e que tenha uma grande quantidade de configurações personalizadas para o driver Synaptics, remova o pacote do seu sistema:

sudo zypper rm xf86-input-synaptics

2.1.5 AArch64: Tamanho da página foi alterado do openSUSE Leap 42.1 para o openSUSE Leap 42.2

No openSUSE Leap 42.1, o tamanho de página padrão em plataformas AArch64 era de 64 kB. Com o openSUSE Leap 42.2, o tamanho de página foi alterado para 4 kB. Isto torna o Swap e sistema de arquivos Btrfs inutilizável.

Se você está atualmente no openSUSE Leap 42.1 em um AArch64, considere uma instalação limpa do openSUSE Leap 42.2 ao invés de uma atualização.

2.1.6 Sistemas com controladoras CCISS podem falhar ao iniciar após atualização

O driver para as controladoras Compaq/HP Smart Array (CCISS) (cciss.ko) não suportam mais certas controladoras po padrão. Isto pode levar ao disco raiz não ser detectado pelo kernel do openSUSE Leap 42.2 kernel.

Nos sistemas afetados, o driver CCISS pode ser configurado para reverter ao comportamento anterior e detectar as controladoras novamente. Para fazer isto, adicione o parâmetro de kernel cciss.cciss_allow_hpsa=0.

2.2 Atualizando do openSUSE 13.2

As seguintes notas se aplicam a atualizações do openSUSE 13.2 ou mais antigos. Certifique-se de também revisar as informações fornecidas em Seção 2.1, “Atualizando do openSUSE Leap 42.1”.

2.2.1 Nome das Interfaces de Rede

Quando estiver atualizando uma máquina remota com o openSUSE 13.2, certifique-se que suas interfaces de rede estão nomeadas corretamente.

O openSUSE 13.2 utiliza os chamados nomes previsíveis para as interfaces de rede (por exemplo, enp5s0), enquanto que o openSUSE Leap 42.1 utiliza nomes persistentes (eth0). Após a atualização e reinicialização do sistema, os nomes das interfaces de rede podem então se alterar. Isso pode ocasionar diversos problemas no seu sistema. Para evitar que as interfaces sejam renomeadas, execute o seguinte comando para cada uma das interfaces de rede antes de reiniciar o seu sistema:

/usr/lib/udev/udev-generate-persistent-rule -v -c enp5s0 -n enp5s0 -o /etc/udev/rules.d/70-persistent-net.rules

Substitua enp5s0 com o nome de sua interface de rede.

2.2.2 Btrfs: Perda de Espaço em Disco após Reversões (Rollbacks) do Sistema

Por padrão, o openSUSE 13.2 utilizava um layout de partição Btrfs que permitia que o espaço em disco ficasse permanentemente ocupado com conteúdo inacessível e obsoleto após a execução da primeira reversão (rollback) do sistema. Esse problema no layout foi corrigido no openSUSE Leap 42.1. Entretanto, a solução somente pode ser aplicada a novas instalações do sistema.

Se você estiver atualizando a partir do openSUSE 13.2, você não poderá converter o sistema de arquivos para o novo layout, mas você poderá recuperar o espaço em disco perdido.

Atenção
Atenção: Perda de dados com configurações não padrões ou sem reversões (rollbacks)

O procedimento a seguir somente irá funcionar corretamente em instalações que usaram a proposta padrão criada pelo instalador do openSUSE 13.2.

Adicionalmente, você deve ter feito uma reversão (rollback) do sistema.

Se você configurou seu sistema de arquivos Btrfs com uma configuração não padrão ou não fez uma reversão do sistema anteriormente, executar o procedimento a seguir pode causar perda de dados.

  1. Monte o sistema de arquivos root inicial:

    mount /dev/<ROOT_FILE_SYSTEM> -o subvolid=5 /mnt
  2. Remova todos os arquivos no diretório /mnt que não estão em um subvolume:

    find /mnt -xdev -delete
  3. Desmonte o sistema de arquivos de novo:

    umount /mnt

2.2.3 Sistema de Impressão: Melhorias e Alterações Incompatíveis

Versão do CUPS atualizada para 1.7

Comparado ao CUPS 1.5 no openSUSE 13.2, o CUPS 1.7 introduz mudanças significativas que podem requerer ajustes manuais na configuração.

  • PDF é o novo formato padrão para os trabalhos de impressão em detrimento do PS. Dessa forma, impressoras tradicionais PostScript agora também precisam de um filter driver para impressão.

    Veja https://en.opensuse.org/Concepts_printing para detalhes.

  • O protocolo de descoberta de impressoras através da rede se alterou. O método nativo para descoberta de impressoras na rede é agora baseado no DNS Service discovery (DNS-SD, isto é via Avahi). O serviço cups-browsed do pacote cups-filters pode ser utilizado para interconectar os dois protocolos, o novo e o antigo. Ambos cupsd e cups-browsed devem ser executados para fazer com que clientes "antigos" encontrem impressoras (isto inclui o LibreOffice e o KDE).

  • A versão padrão do protocolo IPP se alterou de 1.1 para 2.0. Servidores IPP antigos como CUPS 1.3.x (por exemplo no SUSE Linux Enterprise 11) rejeitam pedidos IPP 2.0 com Bad Request (veja http://www.cups.org/str.php?L4231).

    Para ser possível imprimir nesses servidores antigos, a antiga versão do protocolo IPP deve ser explicitamente especificada anexando /version=1.1 em uma das opções a seguir:

    • Na configuração ServerName no arquivo client.conf (por exemplo, ServerName older.server.example.com/version=1.1).

    • No valor da variável de ambiente CUPS_SERVER.

    • No valor do nome do servidor na opção -h das ferramentas de linha de comando, por exemplo:

      lpstat -h older.server.example.com/version=1.1 -p
  • Alguns filtros e back-ends de impressão foram movidos do pacote cups para o pacote cups-filters.

  • Algumas diretivas de configuração foram movidas do arquivo cupsd.conf para o arquivo cups-files.conf (veja http://www.cups.org/str.php?L4223, CVE-2012-5519 e https://bugzilla.opensuse.org/show_bug.cgi?id=789566).

  • Os banners e a página de teste do CUPS foram movidos do pacote cups para o pacote cups-filters (veja http://www.cups.org/str.php?L4120> e https://bugzilla.opensuse.org/show_bug.cgi?id=735404).

3 Geral

Esta seção lista problemas gerais com o openSUSE Leap 42.2 que não se enquadram em qualquer categoria.

3.1 KDEPIM (Aplicativos do KDE para gerenciamento de informação pessoal)

O openSUSE Leap 42.2 vem com duas versões da suíte KDE PIM (Kontact, KMail, etc.):

  • A versão 4.x antiga

  • A versão baseada no KDE Frameworks 5

O KDE PIM 4.x não é mais suportado oficialmente pelo KDE, mas foi mantido para evitar interrupção no fluxo de trabalho do usuário.

As duas versões do KDE PIM não podem ser instaladas ao mesmo tempo. Alguns softwares, como o KNode (pacote knode) necessitam da versão antiga 4.x e serão desinstalados ao instalar qualquer pacote do KDE PIM 5.x (por exemplo, o pacote kmail5).

O KDE PIM 4.x será removido na próxima versão do openSUSE Leap. Portanto, você é encorajado a alternar para a versão mais recente 5.x.

No entanto, nem todas as configurações são migradas da versão antiga para esta. Para mais informações, veja o relatório de erro em https://bugzilla.opensuse.org/show_bug.cgi?id=1001872).

3.2 Sem bloqueio de tela ao usar o GNOME Shell e não o GDM

Ao usar o GNOME Shell junto com um gerenciador de login diferente do GDM, como o SDDM ou LightDM, a tela não será bloqueada ou ficará escura. Adicionalmente, alternar entre usuários sem encerrar a sessão não é possível.

Para poder bloquear a tela no GNOME Shell, habilite o GDM como seu gerenciador de login:

  1. Certifique-se de que o pacote gdm está instalado.

  2. Abra o YaST e de lá, abra Editor do /etc/sysconfig.

  3. Navegue para Desktop › Display manager › DISPLAYMANAGER.

  4. Na caixa de texto, especifique gdm. Para salvar, clique em OK.

  5. Reinicie.

3.3 Sem suporte para fontes Type-1 no LibreOffice

O LibreOffice 5.3 não suporta mais as fontes antigas Type-1 (extensão de arquivo .afm e .pfb). A maioria dos usuários não deve ser afetada por isto, já que as fontes atuais estão disponíveis ou no formato TrueType (.ttf) ou OpenType (.otf).

Se você for afetado por isto, converta as fontes Type-1 para um formato suportado, como o TrueType e então use as fontes convertidas. A conversão é possível com o aplicativo FontForge (package fontforge) que está incluído no openSUSE. Para informações sobre como fazer tais conversões via scripts, veja https://fontforge.github.io/en-US/documentation/scripting/.

4 Mais informações e comentários

  • Leia os documentos README disponíveis na mídia.

  • Veja a informação detalhada das alterações (changelog) sobre um pacote em particular a partir do seu RPM:

    rpm --changelog -qp NOME_DO_ARQUIVO.rpm

    Substitua NOME_DO_ARQUIVO com o nome do arquivo RPM.

  • Verifique o arquivo ChangeLog no nível superior da mídia para um registro cronológico de todas as alterações feitas para os pacotes atualizados.

  • Encontre mais informação no diretório docu na mídia.

  • https://doc.opensuse.org/ contém documentação adicional ou atualizada.

  • Visite https://www.opensuse.org para notícias mais recentes de produtos do openSUSE.

Copyright © 2018 SUSE LLC

Obrigado por usar o openSUSE.

A equipe do openSUSE.

Imprimir esta página